Gestão de riscos no setor público

revisão bibliométrica e proposta de agenda de pesquisa

Autores

Palavras-chave:

Setor público, Bibliometria, Governança Pública, Gestão de Riscos

Resumo

A gestão de riscos tem se tornado referência de boa governança corporativa ao redor do mundo, tanto no setor privado quanto no setor público. A administração pública brasileira tem estado atenta a esse movimento e, com vistas ao aprimoramento dos serviços públicos, diversos manuais e normativas sobre gestão de riscos estão sendo elaborados e aplicados. Em contrapartida, parece haver pouca reflexão acadêmica nacional sobre o tema, o que desperta preocupação com a disseminação de práticas organizacionais sem lastro teórico-empírico. Nesse contexto, o objetivo deste artigo é mapear a produção científica nacional sobre gestão de riscos no setor público e apresentar uma revisão bibliométrica das publicações disponíveis em periódicos de classificação Qualis da Capes nos estratos B2 ou superior na área de administração. Um total de cinco publicações foram escolhidas, dentre as 941 analisadas, refletindo a escassa produção sobre o tema. Verificou-se que os artigos identificados se limitaram a recortes muito específicos da gestão de riscos, não correspondendo às questões e aos desafios da implementação das metodologias em nível organizacional e estratégico nos órgãos públicos. Ao final, foi proposta uma agenda de pesquisa para o início do preenchimento dessas lacunas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dyego Alves da Silva, Universidade de Brasília (UnB)

Doutorando em Administração na Universidade de Brasília - UnB. Mestre em computação aplicada. Graduado em sistemas de informação.

Jeovan Assis da Silva, Universidade de Brasília (UnB)

Doutor em Administração pela Universidade de Brasília. Servidor público federal da carreira de Especialista em Políticas Públicas e Gestão.

Gustavo de Freitas Alves, Universidade de Brasília (UnB)

Doutor em Administração pela Universidade de Brasília – UnB, com ênfase em Inovação em Gestão pela UnB. Mestre em computação aplicada.

Carlos Denner dos Santos, Universidade de Brasília (UnB)

Pós-Doutorado pela Universidade de São Paulo. Pós-Doutorado pela University of Nottingham. Pós-Doutorado pela Universidade Federal de Pernambuco.

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). ABNT NBR ISO 31000 Gestão de Riscos - Princípios e Diretrizes. Associação Brasileira de Normas Técnicas, 2009.

ABRUCIO, F. L. O impacto do modelo gerencial na administração pública: um breve estudo sobre a experiência internacional recente. Cadernos Escola Nacional de Administração Pública (ENAP), 1997.

ALVES, G. de F.; NETO, W. L.; COLI, M. C.; BERMEJO, P. H. de S.; SANT’ANA, T. D.; SALGADO, E. G. Perception of enterprise risk management in Brazilian higher education institutions. In: THEMISTOCLEOUS, M.; MORABITO, V. (org.). Information systems. EMCIS 2017. Springer, 2017. (Série Lecture notes in business information processing - LNBIP, v. 299) p. 506-512. http://doi.org/10.1007/978-3-319-65930-5_40.

ANSELL, C.; TORFING, J. Handbook on Theories of Governance. Edward Elgar Publishing, 2016.

ARAGÃO, C. V. de. Burocracia, eficiência e modelos de gestão pública: um ensaio. Revista do Serviço Público, v.48, n. 3, p. 105-134, 1997.

ARAÚJO, C. A. Bibliometria: evolução histórica e questões atuais. Em questão, v. 12, n. 1, p. 11-32, 2006.

ARENA, M.; ARNABOLDI, M.; AZZONE, G. The organizational dynamics of enterprise risk management. Accounting, Organizations and Society, v. 35, n. 7, p. 659-675, 2010. http://doi.org/10.1016/j.aos.2010.07.003.

BARBOSA, G. E. da C.; DE CARVALHO, M. M. Gestão de risco em projetos: um estudo ex-post de projetos de material de emprego militar. Revista de Gestão e Projetos-GeP, v. 8, n. 1, p. 29-41, 2017.

BLACK, J. The emergence of risk-based regulation and the new public risk management in the United Kingdom. Public law, v. 1, n. 1, p. 512-548, 2005.

BRASIL. Gestão de riscos de segurança da informação e comunicações - GRSIC. 1. ed. Brasília, DF: Presidência da República - Gabinete de Segurança Institucional - Departamento de Segurança da Informação e Comunicações, 2013. Recuperado de http://dsic.planalto.gov.br/documentos/nc_04_grsic.pdf

______. Instrução Normativa nº 01/2016. Brasília, DF: Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão, Controladoria Geral da União, 2016a.

¬¬¬¬¬______. Metodologia de gestão de riscos de segurança da informação e comunicações do Sistema de Administração dos Recursos de Tecnologia da Informação do Poder Executivo Federal - MGR-SISP. 2. ed. Brasília, DF: Ministério do Planejamento Desenvolvimento e Gestão, 2016b.

______. Manual de gestão de integridade, riscos e controles internos da gestão - GIRC (1.2). Brasília, DF: Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, 2017a.

______. Roteiro de auditoria de gestão de riscos. Brasília, DF: Tribunal de Contas da União (TCU), 2017b. Recuperado de https://portal.tcu.gov.br/lumis/portal/file/fileDownload.jsp?fileId=8A8182A15EAB92B3015F2F41DB870250 Acesso em 10 de setembro de 2021.

BRASILIANO, A. C. R. Gestão e análise de riscos corporativos: Método Brasiliano Avançado. Sao Paulo: Editora Sicurezza, 2009.

CANADÁ. Framework for the management of risk. Treasury Board of Canada Secretariat, 2010. Recuperado de http://www.tbs-sct.gc.ca/pol/doc-eng.aspx?id=19422 Acesso em 10 de setembro de 2021.

CHAPMAN, R. J. Simple tools and techniques for enterprise risk management. Nova Jersey: John Wiley & Sons, 2011.

COMMITTEE OF SPONSORING ORGANIZATIONS OF THE TREADWAY COMMISSION (COSO). Enterprise risk management: integrated framework. COSO, 2004. Recuperado de www.coso.org/publications.Htm Acesso em 10 de setembro de 2021.

CROSSAN, M. M.; APAYDIN, M. A multi-dimensional framework of organizational innovation: a systematic review of the literature. Journal of Management Studies, v. 47, n. 6, p. 1154-1191, 2010.

DENHARDT, R. B.; CATLAW, T. J. Teorias da Administração Pública. 2. ed. São Paulo: Cengage Learning, 2017.

GERIGK, W.; CORBARI, E. C. Risco no ambiente público municipal: um estudo exploratório nos pequenos municípios da Região Sul do Brasil. Revista Base (Administração e Contabilidade) da UNISINOS, v. 8, n. 1, p. 45-57, 2011.

HAYNE, C.; FREE, C. Hybridized professional groups and institutional work: COSO and the rise of enterprise risk management. Accounting, Organizations and Society, v. 39, n. 5, p. 309-330, 2014.

HILL, S. Guia sobre a gestão de riscos no serviço público. 1. ed. Brasília, DF: Escola Nacional de Administração Pública (Enap), 2006.

HILLSON, D. The risk management handbook: a practical guide to managing the multiple dimensions of risk. London: KoganPage, 2016.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA (IBGC). Guia de orientação para gerenciamento de riscos corporativos. Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. São Paulo: IBGC, 2007. Recuperado de http://www.ibgc.org.br/userfiles/3.pdf

______. Gerenciamento de riscos corporativos: evolução em governança e estratégia. São Paulo: IBGC, 2017.

LETHBRIDGE, E. Tendências da empresa familiar no mundo. Revista do BNDES, Rio de Janeiro, v. 4, n. 7, p. 185-199, 1997.

LIMA, C. M. C.; COELHO, A. C. Alocação e mitigação dos riscos em parcerias público-privadas no Brasil. Revista de Administração Pública-RAP, v. 49, n. 2, p. 267-291, 2015.

MARTINS, T. J.; BOENTE, D. R.; MÓL, A. L. R. A relação entre os níveis de divulgação das práticas de gestão de risco e a oscilação do preço das ações das companhias listadas na Bovespa. Registro Contábil, v. 4, n. 3, p. 1-18, 2013.

MOORE, M. H. Recognizing public value. Massachusetts: Harvard University Press, 2013.

OFFICE OF GOVERNMENT COMMERCE (OGC). Management of risk: guidance for practitioners. Axelos. London: Office of Government Commerce - Axelos, 2010.

OLIVEIRA, A. G. de.; PISA, B. J. IGovP: índice de avaliação da governança pública – instrumento de planejamento do Estado e de controle social pelo cidadão. Revista de Administração Pública, v. 49, n. 5, p. 1263-1290, 2015.

ORGANIZAÇÃO PARA COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO (OCDE). Avaliações da OCDE Sobre Governança Pública: Avaliação da OCDE sobre o Sistema de Integridade da Administração Pública Federal Brasileira - Gerenciando riscos por uma administração pública mais íntegra. OECD Publishing, 2011.

PAZOS, D. V. Modelo de organização adaptável a cenários turbulentos: o caso do setor empresarial energético brasileiro. Revista de Gestão dos Países de Língua Portuguesa, v. 12, n. 3, p. 11-20, 2013.

PONTES, R. E. da S.; NETO, J. S. Contratação do desenvolvimento ágil de software na administração pública federal: riscos e ações mitigadoras. Revista do Serviço Público, v. 66, n. 1, p. 97-120, 2015.

POWER, M. Organized uncertainty: designing a world of risk management. Oxford: Oxford University Press on Demand, 2007.

______. The risk management of nothing. Accounting, Organizations and Society, v. 34, n. 6-7, p. 849-855, 2009. http://doi.org/10.1016/j.aos.2009.06.001

POWER, M.; SCHEYTT, T.; SOIN, K.; SAHLIN, K. Reputational risk as a logic of organizing in late modernity. Organization Studies, v, 30, n. 2-3, p. 301-324, 2009.

PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE (PMBOK). Conjunto de conhecimentos em gerenciamento de projetos. 3. ed. USA: Project Management Institute, 2004.

RACZKOWSKI, K.; TWOREK, P. What does risk management in an economy really mean? In: RACZKOWSKI, K. Risk management in public administration. Springer, 2017. p. 1-41.

RAFF, D. M. G. et al. Risk management in an age of change. Philadelphia: Wharton School, University of Pennsylvania, 2001.

SANTOS, F. F.; PINTO, A. R. da S.; GOMES, L. M. A.; SILVA, R. L.; DAMIANI, J. H. de S. Identificação de riscos em compras do setor público: um estudo de caso. Revista de Gestão e Projetos-GeP, v. 2, n. 1, p. 69-87, 2011.

SCAROZZA, D. D.; ROTUNDI, F.; HINNA, A. A. Implementing risk management in the Italian public sector: hybridization between old and new practices. International Journal of Public Administration, v. 0, n. 0, p. 1-19, 2017. http://doi.org/10.1080/01900692.2016.1255959

SEDREZ, C. DE S.; FERNANDES, F. C. Gestão de riscos nas universidades e centros universitários do Estado de Santa Catarina. Revista Gestão Universitária na América Latina-GUAL, v. 4, n. 1, p. 70-93, 2011.

SIFFERT FILHO, N. F. Governança corporativa: padrões internacionais e evidências empíricas no Brasil nos anos 90. Revista do BNDES, Rio de janeiro, v. 5, n. 9, 1998.

SIMON, H. A.; BARNARD, C. I. Administrative behavior: a study of decision-making processes in administrative organization. Macmillan, 1947.

SLOMSKI, V. Controladoria e governança na gestão pública. Editora Atlas SA, 2000.

TRAPP, A. C. G.; CORRAR, L. J. Avaliação e gerenciamento do risco operacional no Brasil: análise de caso de uma instituição financeira de grande porte. Revista Contabilidade & Finanças, 1637, 2436, 2005.

VINNARI, E.; SKÆRBÆK, P. The uncertainties of risk management. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 273, 489526, 2014. http://doi.org/10.1108/AAAJ-09-2012-1106

Downloads

Publicado

2021-12-29

Como Citar

Silva, D. A. da, Silva, J. A. da, Alves, G. de F., & Santos, C. D. dos. (2021). Gestão de riscos no setor público: revisão bibliométrica e proposta de agenda de pesquisa. Revista Do Serviço Público, 72(4), 824-854. Recuperado de https://revista.enap.gov.br/index.php/RSP/article/view/3991

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)