Teletrabalho na atualidade:

quais são os impactos no desempenho profissional, bem-estar e contexto de trabalho?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21874/rsp.v72i01.4938

Palavras-chave:

arranjos flexíveis de trabalho, home office, teletrabalho

Resumo

A partir da pandemia imposta pelo novo coronavírus, o teletrabalho mostrou-se uma alternativa de arranjo de trabalho promissora e desejável em tempos de isolamento social, de forma que tem recebido atenção cada vez mais prioritária nas agendas de pesquisas em gestão de pessoas no setor público. O Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) foi um dos pioneiros na utilização do teletrabalho no Brasil e, portanto, foi escolhido como lócus do estudo. Esta pesquisa levantou os pontos positivos e negativos do teletrabalho no Serpro, sob a ótica de chefes, teletrabalhadores e colegas de teletrabalhadores, e comparou empiricamente usuários e não usuários do teletrabalho quanto ao desempenho profissional, contexto de trabalho e bem-estar no trabalho. Utilizaram-se questionários e conduziram-se a análises textuais, análises de variância e Testes de Mann-Whitney. Entre os pontos positivos do teletrabalho, destacam-se o aumento da produtividade e melhorias na qualidade de vida do teletrabalhador. Entre os pontos negativos, destacam-se dificuldades técnicas e de convívio social. Quanto à comparação, os teletrabalhadores percebem mais positivamente seu contexto de trabalho, seu desempenho profissional e seu bem-estar no trabalho. Este estudo apresenta um diagnóstico que pode prover aos gestores públicos um olhar mais reflexivo no que tange à adoção e subsequente implantação do teletrabalho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Karina Pereira Bastos Vilarinho, SERPRO

Bacharel em administração de empresas pelo Centro de Ensino Unificado de Brasília Especialização em Gestão Pública com Ênfase em Estratégia na Universidade de Brasília - UnB

Tatiane Paschoal, Universidade de Brasília (UnB)

Doutora em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações. Professora Adjunta do Departamento de Administração da Universidade de Brasília. 

Gisela Demo, Universidade de Brasília (UnB)

Doutora em Psicologia Organizacional (UnB) e pós-doutora em Management (UCLA/USA). Professora e pesquisadora do PPGA/UnB, bolsista do CNPq, líder de grupo de pesquisa e editora associada da Revista Brasileira de Gestão de Negócios.

Referências

Aderaldo, I. L.; Aderaldo, C. V. L.; Lima, A. C. Aspectos críticos do teletrabalho em uma companhia multinacional. Cadernos EBAPE.BR, v. 15, n. spe, p. 511-533, set. 2017.

Agapito, P. R.; Filho, A. P.; Siqueira, M. M. Bem-estar no trabalho e percepção de sucesso na carreira como antecedentes de intenção de rotatividade. Revista de Administração da Mackenzie, v. 16, n. 3, p. 71-93, nov./dez. 2015.

Andrade, L. L. S.; Oliveira, M. A.; Pantoja, M. J. Teletrabalho no setor público: uma revisão sistemática da literatura internacional a partir do método Proknow-c. In: Congresso Internacional de Desempenho do Setor Público, 3, 2019, Florianópolis, Anais... Florianópolis, 2019. Disponível em: htp://www.cidesp.com.br/inde..php/Icidesp/2cidesp/paper/view/881. Acesso em: 5 setembro 2019.

Alves, G. Trabalho e subjetividade: o espírito do Toyotismo na era do capitalismo manipulatório. São Paulo: Boitempo, 2011.

Antunes, R.; Braga, R. Infoproletários: degradação real do trabalho virtual. São Paulo: Boitempo, 2009.

Barros, A. M.; Silva, J. R. G. Percepções dos indivíduos sobre as consequências do teletrabalho na configuração home-office: estudo de caso na Shell Brasil. Cadernos EBAPE.BR, v. 8, n. 1, p. 71-91, mar. 2010.

Belzunegui, A.; Erro, A.; Pastor, I. The telework as an organizational innovation in the entities of the third sector. Journal of Electronic Commerce in Organizations, v. 12, n. 1, p. 1-15, jan./mar. 2014.

Caillier, J. G. Are teleworkers less likely to report leave intentions in the United States Federal Government than non-teleworkers are? The American Review of Public Administration, v. 45, n. 1, p. 72-88, jan. 2013.

Calvo, R. et al. Happily ever after? Pre-and-post disaster determinants of happiness among survivors of hurricane Katrina. Journal of Happiness Studies, v. 16, n. 2, p. 427-442, mar. 2015.

Carnevale J. B.; Hatak I. Employee adjustment and well-being in the era of COVID-19: implications for human resource management. Journal of Business Research, v. 116, p. 183-187, ago. 2020.

Camargo, B. V.; Justo, A. M. Iramuteq: um software gratuito para análise de dados textuais. Temas em Psicologia, v. 21, n. 2, p. 513-518, dez. 2013.

Cappelli, P. Rethinking employment. British Journal of Industrial Relations, v. 33, n. 4, p. 563-602, dez. 1995.

Coelho Jr., F. A.; Borges-Andrade, J. E. Efeitos de variáveis individuais e contextuais sobre desempenho individual no trabalho. Estudos de Psicologia, v. 16, n. 2, p. 111-120, mai./ago. 2011.

Coelho Jr., F. A. et al. Validação psicométrica de medida de auto-avaliação de desempenho no trabalho. In: Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-Gradução em Administração, 34., 2010, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: Anpad, 2010.

Cunha, M. P.; Rego, A.; Lopes, M. P. Comportamento organizacional positivo. Análise Psicológica, v. 4, n. 31, p. 313-328, dez. 2013.

Demo, G.; Paschoal, T. Well-being at work scale: exploratory and confirmatory validation in the USA. Paidéia, Ribeirão Preto , v. 26, n. 63, p. 35-43, jan./abr. 2016.

Demo, G.; Pessôa, R. CRM na administração pública: desenvolvimento e validação de uma escala de relacionamento com o cidadão (ERCi). Revista de Administração Pública, v. 49, n. 3, p. 677-697, mai./jun. 2015.

Donnelly, R.; Johns, J. Recontextualising remote working and its HRM in the digital economy: an integrated framework for theory and practice. The International Journal of Human Resource Management, v. 31, p. 1-23, mar. 2020.

Ferreira, M. C. Qualidade de vida no trabalho: uma abordagem centrada no olhar dos trabalhadores. Brasília, DF: Paralelo 15, 2017.

Field, A. Discovering statistics using SPSS. Thousand Oaks, CA: Sage, 2009.

Filardi, F.; Castro, R. M.; Zanini, M. T. F. Vantagens e desvantagens do teletrabalho na administração pública: análise das experiências do Serpro e da Receita Federal. Cadernos EBAPE.BR, v. 18, n. 1, p. 28-46, jan./mar. 2020.

Fogaça, N.; Coelho Jr., F. A. A hipótese "trabalhador feliz, produtivo": o que pensam os servidores públicos federais. Cadernos EBAPE.BR, v. 13, n. 4, p. 759-775, out./dez. 2015.

Grant, A. M.; Parker, S. K. Redesigning work design theories: the rise of relational and proactive perspectives. Academy of Management Annals, v. 3, n. 1, p. 317-375, jul. 2009.

Grant, C. A.; Wallace, L. M.; Spurgeon, P. C. An exploration of the psychological factors affecting remote e-worker's job effectiveness, well-being and work-life balance. Employee Relations, Cidade, v. 35, n. 5, p. 527-546, 2013.

Groen, B. A. C. et al. Managing flexible work arrangements: teleworking and output controls. European Management Journal, v. 36, n. 6, p. 727-735, 2018.

Karasek, R. A. Job demands, job decision latitude, and mental strain: implications for job redesign. Administrative Science Quarterly, v. 24, n. 2, p. 285-308, jun. 1979.

Kim, S. Y.; Lee, D. Work-life program participation and employee work attitudes: a quasi-experimental analysis using matching methods. Review of Public Personnel Administration, v. 40, n. 3, p. 468-490, set. 2020.

Konradt, U.; Schmook, R.; Malecke, M. Impacts of telework on individuals, organizations and families: a critical review. International Review of Industrial and Organizational Psychology, v. 15, p. 63-99, 2000.

Lewis, R. A. The influence of information technology on telework: the experiences of teleworkers and their non-teleworking colleagues in a French Public Administration. Journal of Information and Education Technology, v. 3, n. 1, p. 32-35, fev. 2013.

Neiva, E. R.; Macambira, M. O.; Ribeiro, E. B. A. Práticas de gestão, bem-estar e comportamento de apoio. RAM. Revista de Administração Mackenzie, v. 21, n. 1, p. 1-27, fev. 2020.

Magalhães, H. Fique em casa com o Projeto Lar. Tema, 1, p. 23-24, 1985.

Massimo, N. Smart working: una prospettiva critica. Bologna: TAO Digital Library, 2017.

Oliveira, M. Z. et al. Performance, satisfaction and intention to remain in organizations: individual to contextual predictors. Trends in Psychology, v. 27, n. 2, p. 549-567, 2019.

Paschoal, T.; Tamayo, A. Construção e validação da escala de bem-estar no trabalho. Avaliação Psicológica, v. 7, n. 1, p. 11-22, 2008.

Paschoal, T; Alvaro, J. L.; Porto, J. The moderating effect of personal values in the relationship between working conditions and wellbeing. International Journal of Social Psychology, v. 30, n. 1, p. 89-121, jan. 2015.

Peters, P. et al. Enjoying new ways to work: an HRM-process approach to study flow. Human Resource Management, v. 53, n. 2, p. 271–290, mar. 2014.

Rocha, C. T. M.; Amador, F. S. O teletrabalho: conceituação e questões para análise. Cadernos EBAPE.BR, v. 16, n. 1, p. 152-162, jan. 2018.

Rosenfield, C. L.; Alves, D. A. Teletrabalho. In: Cattani, A. D.; Holzmann, L. (Ed.). Dicionário de trabalho e tecnologia. Porto Alegre: Zouk, 2011. p. 414-418.

Seejeen, P.; Cho, J. C. Does telework status affect the behavior and perception of supervisors? Examining task behavior and perception in the telework context. The International Journal of Human Resource Management, v. 31, p. 1-26, 2020.

Silva, E. S. Trabalho e desgaste mental: o direito de ser dono de si mesmo. São Paulo: Cortez, 2011.

Slemp, G., Kern, M.; Vella-Brodrick, D. Workplace well-being: the role of job crafting and autonomy support. Psychology of Well-Being, v. 5, n. 1, p. 1-17, ago. 2015.

Sociedade Brasileira de Teletrabalho e Teleatividades (Sobratt). Pesquisa Home Office. 2018. Disponível em: <https://drive.google.com/file/d/1Lh0az_BlX6j-GS_KXkbAvAQyl2z5U-bc/view> Acesso em: 08 agosto 2020.

Tahavori, Z. Teleworking in the National Library and Archives of Iran: teleworkers’ atitudes. Journal of Librarianship and Information Science, v. 47, n. 4, p. 1-15, mai. 2014.

Van Den Heuvel, S. G. et al. Productivity loss at work; health-related and work-related factors. Journal of Occupational Rehability, v. 20, n. 3, p. 331-339, set. 2010.

Vreuls, E. H.; Joia, L. A. Proposição de um modelo exploratório dos fatores relevantes para o desempenho profissional do CIO brasileiro. Revista de Administração, v. 47, n. 2, p. 307-324, abr./mai./jun. 2012.

Warr, P. Work, happiness and unhappiness. New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates, 2007.

Downloads

Publicado

2021-03-31

Como Citar

Vilarinho, K. P. B., Paschoal, T., & Demo, G. (2021). Teletrabalho na atualidade: : quais são os impactos no desempenho profissional, bem-estar e contexto de trabalho?. Revista Do Serviço Público, 72(01), 133-162. https://doi.org/10.21874/rsp.v72i01.4938

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)