Custos no serviço público

Autores

  • Marcos Alonso Ministério da Economia

Palavras-chave:

Custos, Serviço Público, Sistema ABC

Resumo

A melhoria do desempenho da administração pública é uma necessidade que vem sendo evidenciada nesta década. Primeiro, porque o padrão da inserção do Brasil na economia mundial requer melhor desempenho do setor público, dado o caráter sistêmico da competitividade. Segundo, porque a crise fiscal do Estado exige que o governo faça mais com menos recursos. Daí a prioridade para a qualidade do gasto público. A proposta apresentada é que o governo desenvolva e implante sistemas de custos baseados em atividade (ABC), pois estes apresentam a flexibilidade necessária para o setor de serviços e são ferramentas úteis nos processos de reestruturação e de melhoria da gestão. Os sistemas ABC são superiores aos métodos de custeio tradicionais, pois: 1) reduzem as distorções do rateio dos custos indiretos e fixos; 2) não apenas apuram custos, mas também mostram como e onde se formam os custos, favorecendo uma mudança efetiva de atitude dos gestores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcos Alonso, Ministério da Economia

Mestre e Bacharel em Matemática e em Economia na Universidade de São Paulo (USP). Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental, vinculada ao Ministério da Economia. Atuou em diversos projetos sobre “Gestão voltada para Resultados” e “Gestão de Custos”, tendo sido relator da Comissão Interministerial de Custos, em 2006. Foi professor de Economia em universidades privadas e instrutor da Enap nos cursos pioneiros sobre Gestão de Custos no serviço público.

Referências

ABC TECHNOLOGIES. Homepage na Internet.

ALONSO, Marcos. (1997), “Agências Executivas: estratégias de reforma para a administração indireta”. Série Texto para Discussão n. 18. Brasilia: ENAP.

ALONSO, Marcos. (1996), Contabilidade Pública Gerencial (mimeo.).

ALONSO, Marcos. (1996), “Por um sistema de custos para o Serviço Público”. Nota Técnican.05. Documento interno do Ministério da Administração (MARE).

CARR, D. & I. LITTMAN. (1992), Excelência nos serviços públicos. Rio de Janeiro: Qualitymark.

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE — CFC. Custo como ferramenta gerencial. São Paulo:Atlas.

KAPLAN, R. & D. NORTON. (1997), A estratégia em ação: Balanced Scorecard. Rio de Janeiro: Campus.

KAPLAN, R. & R. COOPER. (1998). Custo e Desempenho, São Paulo: Futura.

KEHOE, J. et allii. (1995), Activity-based management, Arlington, EUA: Coopers & Librand.

MARE. Homepage na Internet.

MARTINS, Eliseu. Contabilidade de Custos. São Paulo: Atlas.

MUSGRAVE, R. & P. MUSGRAVE. (1980), Finanças Públicas. Rio de janeiro: Campus.

NAKAGAWA, M. (1994), ABC: custeio baseado em atividade. São Paulo: Atlas.

NAKAGAWA, M. (1993), Gestão Estratégica de Custos. São Paulo: Atlas.

NATIONAL PERFORMANCE REVIEW. Homepage na Internet.

OSBORNE, D. & T. GAEBLER. (1994), Reinventando o governo. Brasília: comunicação.

PINDYCK, R. & RUBINFELD. (1994), Microeconomia. São Paulo: Makron books.

PISCITELLI, R. et all. Contabilidade Pública. Rio de Janeiro Atlas.

PLAYER, S. & D. KEYS. ABM: activity-based management. Rio de Janeiro: Arthur Andersen.

TEIXEIRA MACHADO. A lei 4.320 comentada. Rio de Janeiro: IBAM.

Downloads

Publicado

2022-11-29

Como Citar

Alonso, M. (2022). Custos no serviço público. Revista Do Serviço Público, 73(b), 127-152. Recuperado de https://revista.enap.gov.br/index.php/RSP/article/view/8726

Edição

Seção

RSP Edição Especial 85 anos