A Avaliação da Governança de TI da administração pública sob a ótica dos princípios da governança corporativa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21874/rsp.v71ic.4426

Palavras-chave:

governança de tecnologia da informação, IBGC, iGovTI

Resumo

Este estudo se propôs a verificar a avaliação da governança de TI que é realizada nas empresas da administração pública pelo Tribunal de Contas da União (TCU), sob a ótica dos princípios da transparência, da equidade, da prestação de contas e da responsabilidade corporativa. Esses princípios são definidos pelo Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC) para reger os códigos de governança corporativa das organizações. Sendo a governança de TI parte da governança corporativa, buscou-se obter uma medida comum a ambas.  Para realizar a análise, o estudo utiliza a fundamentação teórica que subsidia os itens do levantamento identificados pelo TCU como itens que avaliam a governança de TI. Para cada fundamentação, de cada item do levantamento, é feita uma análise qualitativa, na busca da identificação de conceitos que os associe com um ou mais princípios da governança corporativa definidos pelo IBGC. Os dados utilizados são os do levantamento realizado em 2018 pelo TCU e que resultaram no Índice Geral de Governança (iGG) de 2018 e, como parte desse, o iGovTI. Como resultado, foi possível elaborar um mapeamento dos itens de avaliação de governança de TI que geraram o iGovTI de 2018, por princípios de governança corporativa. O estudo identificou haver poucos itens de verificação no levantamento relativos ao iGovTI que se relacionam aos princípios de governança corporativa; e assim, conclui que pouco se avalia a governança de tecnologia sob a ótica dos princípios da governança corporativa definidos pelo IBGC.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Souza Neto, Universidade Católica de Brasília (UCB)

Doutor em Engenharia Elétrica pela UNB. Mestre em Engenharia Eletrônica pelo Philips International Institute da Holanda. É Professor do Mestrado em Gestão do Conhecimento e Tecnologia da Informação da Universidade Católica de Brasília. É certificado CGEIT – Certified in the Governance of Enterprise IT, CRISC – Certified in Risk and Information Systems Control e Certified COBIT Assessor #14. É Instrutor Credenciado de COBIT 5 pela APMG. É Diretor e membro fundador do Capítulo Brasília da ISACA.

Laura Estela Madeira de Carvalho, Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM)

Mestre em Administração pela Unigranrio, com o tema Governança de TI, em 2019. Bacharel em Ciência da Computação, em 1989, pela Universidade Católica de Petrópolis. Especialização em projetos e sistemas Web. Atuou com computação gráfica/geoprocessamento e no desenvolvimento do SIR - Sistema de Informações de Recursos Naturais, atual GeoSGB, bases de dados textuais (SIGA/Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais - CPRM), desenvolvimento e coordenação de sistemas administrativos e acadêmicos de instituições de ensino superior. Gerente do setor de informações Institucionais da CPRM (geoprocessamento, informações técnicas e tecnologia da informação). Presidente do comitê de TI da CPRM (2015-2018).

Referências

ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR ISO /IEC 38500:2015 Governança corporativa de tecnologia da informação, Rio de Janeiro, 2015. Disponível em: <http://www.abntcatalogo.com.br/norma.aspx?ID=40015>. Acesso em out. 2018.

ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR ISO/IEC 38500:2018 Governança corporativa de tecnologia da informação, Rio de Janeiro, 2018. Disponível em: <http://www.abntcatalogo.com.br/norma.aspx?ID=40015>. Acesso em out. 2019

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BRASIL. Lei no 6.932, de 11 de agosto de 2009: dispõe sobre a simplificação do atendimento público prestado ao cidadão, ratifica a dispensa do reconhecimento de firma em documentos produzidos no Brasil, institui a ‘Carta de Serviços ao Cidadão’ e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 2009.

BRASIL. Lei no 12.527, de 18 de novembro de 2011: Regula o acesso a informações previsto no inciso XXXIII do art. 5º, no inciso II do § 3º do art. 37 e no § 2º do art. 216 da Constituição Federal. Diário Oficial da União, Brasília, 2011.

BRASIL. ePWG - Padrões Web em Governo Eletrônico. 2012. Disponível em: < https://www.governodigital.gov.br/transformacao/compras/orientacoes/identidade-digital-do-governo/epwg-padroes-web-em-governo-eletronico>. Acesso em out 2019.

BRASIL. TCU. Governança Pública: Referencial Básico de Governança Aplicável a Órgãos e Entidades da Administração Pública e Ações Indutora de Melhoria. Brasília: Tribunal de Contas da União, 2014a. 95p.

BRASIL. eMAG - Modelo de Acessibilidade em Governo Eletrônico. 2014b. Disponível em: < http://emag.governoeletronico.gov.br>. Acesso em out 2019.

BRASIL. TCU. Organização do Sistema de Governança de Tecnologia da Informação (TI). Nota Técnica 7/2014. TCU (Sefti). 42 p. 2015.

BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Perfil de empresas estatais 2014. 2016a.

BRASIL. Lei no 13.303, de 30 de junho de 2016: dispõe sobre o estatuto jurídico da empresa pública, da sociedade de economia mista e de suas subsidiárias, no âmbito da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios. Diário Oficial da União, Brasília, 2016b.

BRASIL. Decreto no 8.945, de 27 de dezembro de 2016: regulamenta, no âmbito da União, a Lei no 13.303, de 30 de junho de 2016, que dispõe sobre o estatuto jurídico da empresa pública. Diário Oficial da União, Brasília. 2016c.

BRASIL. Lei no 8.638, de 15 de janeiro de 2016: institui a Política de Governança Digital no âmbito dos órgãos e das entidades da administração pública federal direta, autárquica e fundacional. Diário Oficial da União, Brasília, 2016d. Disponível em:< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2016/Decreto/D8638.htm>

BRASIL. TCU. Relatório de Levantamento TC 008.127/2016-6. 2016e. 109p.

BRASIL. Guia de Governança de TIC do SISP v.2. 2017a. 65p.

BRASIL. TCU. Levantamento de Governança de TI 2016. 2017b. 100p.

BRASIL. Decreto Lei no. 13.460, de 26 de junho de 2017: Dispõe sobre participação, proteção e defesa dos direitos do usuário dos serviços públicos da administração pública. Diário Oficial da União, Brasília. 2017c.

BRASIL. TCU. TCU divulga dados inéditos sobre governança na administração pública federal. Disponível em: < https://portal.tcu.gov.br/imprensa/noticias-antigo/tcu-divulga-dados-ineditos-sobre-governanca-na-administracao-publica-federal.htm>. 2018a. Acesso em 15 mai. 2019.

BRASIL. TCU. Governança Organizacional (Wiki). 2018e. Disponível em <http://www.tcu.gov.br/govorganizacional/> . Acesso em jul. 2019

BRASIL. Detalhamento da metodologia de cálculo da fragilidade dos controles. 2019c. Disponível em: < https://meapffc.apps.tcu.gov.br/ajuda/detalhamento_metodologia_calculo_fragilidade_controles.pdf> . Acesso em set 2019.

BONINA, C. M., CORDELLA, A. The new public management, e-government and the notion of public value: lessons from Mexico. In: AIS SPECIAL INTEREST GROUP ON ICT AND GLOBAL DEVELOPMENT WORKSHOP, Paris, 2008. Proceedings. Paris, 2008. Disponível em: <http://aisel.aisnet.org/globdev2008/11>. Acesso em: 19 dez. 2014.

CEPIK M., CANABARRO D. R., POSSAMAI A. J (Org). Governança de TI: transformando a administração pública no Brasil. Porto Alegre. UFRGS/CEGOV, 2014. 220p.

CORNFORTH C. The Governance of Cooperatives and Mutual Associations: A Paradox Perspective. Annals of Public and Cooperative Economics. pp. 11–32. 2004.

CORREA M., BORTOLUZZI. C. Governança Corporativa: Análise Bibliométrica e de Conteúdo da Literatura Científica Nacional de Alto Impacto. In: Congresso de Contabilidade 2015. Universidade Tecnológica Federal do Paraná. 2015.

COSTA J. F. P. Indicadores de Desempenho para Projetos de Sistemas de Informação. 284f. Dissertação de Mestrado apresentada ao curso Engenharia e Gestão de Sistemas de Informação, Universidade do Minho, Portugal. 2018.

FDC – vídeo aula da disciplina Governança. 2016 – bloco 1 secção 3-video aula. Acesso exclusivo durante o curso. 2016.

FERNANDES A. A., ABREU F. V. Implantando a governança de TI: da estratégia à gestão dos processos e serviços. BRASPORT. 4ª. Ed. Rio de Janeiro. 2014. 630p.

FONTES-FILHO, J. R.; ALVES, C. F. Mecanismos de controle na governança corporativa das empresas estatais: uma comparação entre Brasil e Portugal. Cadernos EBAPE.BR (FGV), v. 16, p. 2-13, 2018.

GARTNER. Top Strategic Predictions for 2019 and Beyond:Practicality Exists Within Instability. 2018. Disponível em: < https://www.gartner.com/en/documents/3891569>. Acesso em mar 2019.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 6 ed. SP: Atlas, 2017.

GONÇALVES A. P., GASPAR M. A., CARDOSO M. V. Governança de Tecnologia da Informação: Uma Análise do Nível de Maturidade em Empresas Atuantes no Brasil. Revista de Gestão e Projetos – GeP. 2016.

IBGC. Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. Código das melhores práticas de governança corporativa. BRASIL. 2009. Disponível em: <http://www.ibgc.org.br/index.php/publicacoes/codigo-das-melhores-praticas> Acesso em 20 Nov. 2017.

IBGC. Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. Código das melhores práticas de governança corporativa. São Paulo. 5ª. Edição. 2015. 108p.

ISACA. COBIT 5 - Modelo Corporativo para Governança e Gestão de TI na Organização. Rolling Meadows. 2012.

ISACA. COBIT 2019 Framework: Governance and Management Objectives. 2018. 302p.

ITGI – Information Technology Governance Institute. About IT Governance. 2011. Disponível em:< http://www.itgi.org.>. Acesso em 15 dez. 2018.

JOIA L. A., SOUZA J. G. A. Articulando modelos de alinhamento estratégico de tecnologia da informação. Cadernos EBAPE. BR, v.7, n2, artigo 5, Rio de Janeiro. Jun. 2009.

JORDAO G. F. A Governança Corporativa e as Relações Internacionais A correlação entre a OCDE e o IBGC. 58 f. 2018. Trabalho de conclusão de curso (Monografia) – faculdade de Relações Internacionais, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2018.

JOSHI A., BOLLEN L., HASSINK H., DE HAES S., GREMBERGEN W. V. Explaining IT governance disclosure through the constructs of IT governance maturity and IT strategic role. Information & Management. (55). p.369-380. 2018.

LUNARDI G. L., MAÇADA A.C.G., BEKER J.L. IT Governance Effectiveness and its Antecedents: an Empirical Examination in Brazilian Firms. Journal of Information Systems. 2016.

MARTINS A. L. M. Papel da Informatização na Pequena e Média Empresa Brasileira: Investimentos em TI, Percepção da Gestão e Impacto nos Resultados. 105f. 2016. Tese apresentada ao curso de Administração de Empresas, Fundação Getúlio Vargas – Escola de Administração de Empresas de São Paulo, São Paulo, 2016.

MOORE M. H. Criando Valor Público. Ed. Letras & Expressões. 2002. 554p.

MULGUND P., PAHWA P., GHAUDHARI G. Strengthening IT Governance and Controls Using COBIT: A Systematic Literature Review. International Journal of Risk and Contingency Management. 2019. Disponível em: < https://www.igi-global.com/article/strengthening-it-governance-and-controls-using-cobit/234434> . Acesso em out. 2019.

OCDE. Diretrizes da OCDE sobre Governança Corporativa de Empresas Estatais, Edição 2015. Paris. 2018. OECD Publishing, 84p.

OLIVEIRA A. G., PISA B. J., AUGUSTINHO S. M. Gestão e governança pública: aspectos essenciais. Ed. UTFPR, 2016. 336p.

PORTER M. E., HEPPELMANN J. E. How Smart, Connected Products Are Transforming Competition. Haward Business Review. Nov. 2014. Disponível em: https://hbr.org/2014/11/how-smart-connected-products-are-transforming-competition> . Acesso em abr 2019.

PRODANOV C. C., FREITAS E. C. Metodologia do trabalho científico [recurso eletrônico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico.2. ed. 2013. Novo Hamburgo: Ed. Feevale. 2013. 277p.

RODRIGUES J. G. L., NETO J. S. Diretrizes para a Implantação da Governança de TI no Setor Público Brasileiro à Luz da Teoria Institucional. Revista do Serviço Público, Brasília. 63 (4). p.475-479. Out-dez 2012.

SANTOS W. R. Os indicadores de desempenho na governança. 2017. Disponível em: <https://www.sollicita.com.br/Noticia/?p_idNoticia=10769&n=os-indicadores-de-desempenho-na-governan%C3%A7a>. Acesso em 05 mai 2018.

SILVA M.S. Governança Corporativa de Empresas Estatais: notas sobre o novo modelo adotado no Brasil (Lei nº 13.303/2016). 2018a. Boletim de Análise Político-Institucional. Nr. 15. Jul-Dez-2018.

SILVA M.S. Governança Corporativa: argumentos teóricos e recomendações de política associadas à abordagem de agência. 2018b. Boletim de Análise Político-Institucional. Nr. 19. Dez-2018.

SILVEIRA A. D. M. Governança Corporativa. O essencial para líderes. Rio de Janeiro: Elsevier Editora Ltda. 2014. 214p.

TAVARES A. A governança de TI, seu diferencial e apoio ao crescimento. Artigos FDC – Série especial PCSS – Nova Lima. 2013

WEILL P., ROSS J. Governança de Tecnologia da Informação. São Paulo: M. Books do Brasil, 2006. 274p.

Downloads

Publicado

2020-12-11

Como Citar

Neto, J. S., & de Carvalho, L. E. M. (2020). A Avaliação da Governança de TI da administração pública sob a ótica dos princípios da governança corporativa. Revista Do Serviço Público, 71(c), 345-374. https://doi.org/10.21874/rsp.v71ic.4426

Edição

Seção

Especial: Caminhos da Governança Pública